A culpa é das ervilhas

Muitas são as refeições cá de casa que incluem vários tipos de legumes. Inicialmente, quando a Alice era mais pequenina, o segredo para ela os comer sem birras estava em esconder os legumes num molho, em pedaços bem pequenos ou simplesmente fingir que não iam no meio da colher que lhe era levada à boca.

Hoje em dia nada disto é necessário. Nem sempre é tão fácil como nos anúncios de televisão e/ou blogs de mães perfeitas, mas não há nada que uma ida às compras com direito a ajudar a fazer o jantar não resolva. Sim, ela ainda estranha alguns sabores, mas é uma curiosa – e um bom garfo!

Cá em casa comemos ervilhas com alguma frequência: na salada russa, no arroz que acompanha panados, ou simplesmente cozidas, como acompanhamento de tartes/empadões. No entanto, nunca lhe tinha dado ervilhas de quebrar.

Este foi o mais recente desafio que tive e, como era de prever, a música foi outra e teve direito a recurso a métodos antigos…

“É verde”, “Eu não gosto”, “Sabe mal”, “Dói-me a barriga”. Parti uma vagem em 3 e escondi-a debaixo do frango. Quando lhe tomou o gosto, não se voltou a queixar.

Uns dias depois fomos às compras. Perguntou-me o que ia fazer para o almoço:
“Sem verdes?”, perguntou ela. Respondi-lhe que sim.
“Sabes mãe, podes fazer com verdes. Eu agora já gosto de verdes.”

Caramba, se não sinto orgulho na minha comilona!

O prato ficou uma delícia com as vagens ainda crocantes e um peito de frango muito suculento. Para além disso, fugi ao tradicional estufado de frango com ervilhas de quebrar (que adoro) e criei um prato que jurei repetir vezes sem conta.

Frango salteado com ervilhas de quebrar

Ingredientes (para 3-4 pessoas)
aprox. 500gr de peito de frango
80ml de molho de soja
3 c. de sopa de vinagre de arroz
3 c. de sopa de mel
1 dente de alho ralado
gengibre fresco ralado a gosto (usei 1 c. de sopa bem cheia)
azeite qb
1 a 2 chalotas às meias-luas
300gr de ervilhas de quebrar
legumes a gosto (usei cenouras pequenas de 3 cores)
cebolinho qb
1 malagueta
1 c. de chá amido de milho
1 copo de arroz Basmati
1 casca de limão
5 cabeças de cravinho
sal a gosto
sementes de sésamo branco tostadas

Modo de preparação:

Comece por preparar a marinada. Deite a soja, o vinagre de arroz e o mel numa taça, rale o alho e o gengibre e mexa bem.

Corte os peitos de frango aos cubos e junte ao preparado anterior. Envolva bem e deixe marinar durante cerca de 45 minutos.

Quando for hora de preparar a refeição, comece por adiantar o arroz. Num tacho, coloque a quantidade de arroz e o dobro dessa quantidade de água a ferver. Tempere com sal, casca de limão e meia dúzia de cabeças de cravinho. Tape e coza o arroz durante o tempo indicado na embalagem. Ao fim desse tempo, desligue o lume e reserve – o arroz deverá ficar fofo e solto.

Escorra muito bem o frango e reserve a marinada.

Deite um pouco de azeite num wok ou frigideira alta e deixe aquecer em lume médio-alto. Junte os cubos de frango e deixe fritar, virando de vez em quando. Deixe cozinhar bem de todos os lados.

Aproveite para cortar todos os legumes.

Junte as chalotas ao frango e deixe cozinhar mais um pouco, para que também ganhem alguma cor. Enquanto isso, deite o amido de milho na marinada e mexa bem, para que não fique com grumos. Junte este molho à frigideira e deixe apurar.

Assim que o molho se transforme numa espécie de xarope, junte as ervilhas e os restantes legumes e envolva tudo. Ao fim de 2/3 minutos retire do lume e sirva sobre um pouco de arroz branco, previamente polvilhado com sementes de sésamo.

Para terminar, salpique o frango com um pouco de cebolinho picado e malagueta.

Tudo o que leva frango é geralmente bem aceite cá em casa e este prato não foi excepção.

Obrigada, mais uma vez, por continuarem por aqui comigo.

Até breve!

0 comments on “A culpa é das ervilhasAdd yours →

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.