Às origens, às pessoas e lugares que nos aquecem o coração…

O post de hoje é uma espécie de homenagem aos lugares onde me sinto em casa e às pessoas que me fazem feliz. Três sítios, três receitas. Tão simples!

Croquetes de alheira, com doce de pêra e cardamomo

Quando eu vivia em Vila Nova de Foz Côa os enchidos regionais eram prato recorrente à mesa. Hoje em dia, a viver bem longe, tenho que pedinchar uma farinheira, uma alheira ou um moiro que sobre lá por casa do meu pai – prendas preciosas levadas pela minha tia ou pelos meus primos, sempre que o visitam.

Esta receita surgiu em Fevereiro de 2016, no seguimento de uma conversa com a minha melhor amiga, que durante muito tempo me desafiou a usar os seus produtos nos meus cozinhados. Aqui está, Daniela, fruto da tua persistência:  Croquetes de alheira, com doce de pêra e cardamomo da Casa Painova.

Ingredientes para os croquetes                                           

1 alheira
1 colher de sopa de azeite
1 cebola média
2 dentes de alho
1 pêra pequena
1 a 2 colheres de sopa de doce de pêra e cardamomo
1 colher de sopa de sumo de limão
manjericão e salsa
farinha/pão ralado/ ovo

Preparação:

Retira-se a pele à alheira.
Pica-se a cebola e o alho e refogam-se ambos em azeite. Assim que a cebola aloire junta-se a alheira aos pedaços e a pêra finamente ralada. Cozinha-se por alguns instantes.
Adiciona-se por fim o doce de pêra e cardamomo, o sumo de limão, a salsa e o manjericão picados. Deixa-se arrefecer para que seja mais fácil formar pequenas bolas que devem depois ser passadas por farinha, ovo e pão ralado.
Levam-se os croquetes ao congelador durante 30 minutos, fritando-se por fim em lume médio-alto.

Acompanhei com rúcula e molho doce de mostarda (ingredientes: mostarda de Dijon; azeite; doce de pêra e cardamomo e manjericão picado).

Iscas com “Elas”

Lembro-me das longas viagens até Lisboa, sempre que tínhamos férias da escola. O meu pai cantarolava “olha as casas de Lisboa” ainda a vários km’s de distância, para nos encorajar. Já dentro da cidade, a atravessar a Av. Gago Coutinho, enquanto o meu pai se questionava se iría ou não ter lugar de estacionamento em frente ao prédio dos nossos avós, eu abria a janela do carro. Digam o que quiserem sobre poluição, Lisboa cheirava a Lisboa!

Um dia passámos a viver em Lisboa, cidade que nunca perdeu o seu encanto e na qual gosto de ser turista.

Iscas com elas é um prato composto por tiras finas de fígado (iscas) acompanhadas por batatas cozidas (elas). Tipicamente Lisboeta, escolho-o para matar saudades da minha bela capital.

O uso do vinagre neste prato deve ser levado a sério!

Ingredientes para as “Iscas com Elas“

800 gr de fígado de porco
sal e pimenta
3 folhas de louro grandes
4 dentes de alho
1/2 copo de vinagre de vinho branco
1 copo de vinho branco
salsa fresca
1 colher de sopa de azeite
1 colher de sopa de banha de porco
Adaptado de  www.cm-lisboa.pt/visitar/sabores-de-lisboa/iscas-com-elas

Preparação:

Lava-se muito bem o fígado de porco e corta-se em fatias finas, absorvendo bem a água antes de preparar a marinada.
Temperam-se as iscas com sal e pimenta, dentes de alho às fatias e folhas de louro. Junta-se o vinho e o vinagre e deixa-se marinar por algumas horas.
Na altura de fritar escorrem-se as iscas e reserva-se a marinada, que será usada mais tarde. Lavam-se as batatas e, sem tirar a pele, deixam-se cozer em água e sal.
Numa frigideira junta-se o azeite e a banha e deixa-se aquecer bem. Fritam-se as iscas dos dois lados e,  assim que prontas, retiram-se da frigideira.  Verte-se então a marinada, que deve ferver e apurar. Juntam-se de novo as iscas à frigideira, para reaquecerem no molho.
As batatas deverão ser peladas e fatiadas na hora de servir.
Por fim, polvilha-se o prato com salsa fresca picada.

 

Ninhos de merengue suiço com double crème de la Gruyère,

Curd de lima-limão e framboesas

Uma das primeiras viagens que fizemos quando chegámos à Suiça foi a Gruyères. Foi a primeira vez na vida que vi infinitos tons de verde numa só colina e me senti capaz de encontrar a Heidi. Ficámos imediatamente apaixonados pela paisagem, pela pequena cidade e, claro, pelo queijo.
Só no ano seguinte, em nova visita com o Paulo e com a Maria, ponderámos provar a sobremesa típica de merengue com double crème de la Gruyère.

“C’est la crème de la crème”, literalmente!

Sinto-me obrigada a partilhar com vocês, possíveis amantes de Eton Mess ou de Pavlova, esta magnífica dose de amor. Só pode ser amor, pela forma como nos conforta!

Cá em casa costumamos optar pela versão simples merengue/duplo creme/framboesas. Hoje apresento a receita com um sabor adicional.

Ingredientes para os ninhos de merengue suiço

3 claras
160 gr de açúcar
1 pitada de sal
1 colher de chá de vinagre de fruta
1 colher de chá de Maizena
1 colher de café de baunilha em pó (opcional)

Preparação:

Pré-aquece-se o forno a 180° C.
Com um lápis, desenham-se 6 círculos pequenos numa folha de papel vegetal.
Em banho-maria, aquecem-se as claras, o sal e o açúcar, até alcançarem 50°C. Bate-se continuamente até se formarem pequenos picos.
Acrescenta-se o vinagre, a maizena e a baunilha e bate-se o merengue até que arrefeça completamente e fique bem firme.
Coloca-se de seguida o merengue sobre o papel vegetal e, com a ajuda de uma colher, formam-se pequenos ninhos.
Quando o tabuleiro entra no forno, reduz-se imediatamente a temperatura para 150° C.
Deixa-se cozinhar por 70 minutos, após os quais se desliga o forno. Os merengues devem descansar no forno por mais 15 minutos.
Por fim, tira-se o tabuleiro do forno e colocam-se os ninhos numa base, para arrefecerem completamente.

Ingredientes para o curd de lima-limão

3 colheres de sopa de Maizena
120 gr de açucar
275 ml de água
2 limões (sumo e raspa)
1 lima (sumo e raspa)
50 gr de manteiga sem sal
3 gemas de ovos
Baseada na receita de lemon curd do Jamie Oliver

Preparação:

Numa taça, mistura-se a Maizena com o açucar. Coloca-se um pouco da água até formar uma pasta, sem grumos. Leva-se a restante água ao lume, com as raspas da lima e do limão.
Entretanto espremem-se os limões e a lima e deita-se o seu sumo na taça onde está o açucar e a maizena, misturando bem. Leva-se ao lume a mistura, no mesmo tacho onde já está a água. Deixa-se engrossar, mexendo sempre, para evitar grumos.
Junta-se a manteiga e as gemas (temperadas com um pouco do creme quente). Leva-se ao lume por mais 1 ou 2 minutos, depois dos quais se deixa arrefecer completamente.
Colocam-se os ninhos nos pratos. Adiciona-se o double creme de la Gruyère (natas batidas, sem açucar, em alternativa) e o curd de lima-limão sobre cada um dos ninhos. Quando estiver pronto a servir, salpicam-se os ninhos com as framboesas.

Em preparação para a páscoa, despeço-me de todos e agradeço por estarem aqui comigo.

Até breve!

0 comments on “Às origens, às pessoas e lugares que nos aquecem o coração…Add yours →

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.