As sopas que não podem faltar

Gosto de sopas fartas, intensas e aromáticas, que compensam por um dia mau e nos confortam o suficiente para nos sentirmos bem outra vez. Seguindo este principio cá em casa, abandonámos a ideia da sopa como entrada e passámos a tratá-la como um prato principal.

Foi assim que decidi que, pelo menos uma vez por semana, o nosso jantar passaria a ser sopa. Se pensam que alguém torceu o nariz, estão enganados. O Miguel sabe que as minhas sopas nunca o desiludem. Já em relação à Alice, graças à sua curiosidade (e agora vontade de saber como se diz tudo em Francês), basta puxar por ela, pedir-lhe ajuda e dizer-lhe que vou usar ingredientes giros, que ela fica logo entusiasmada.

As sopas podem (e devem) ser divertidas e saborosas, além de equilibradas e nutritivas – tudo o que se deseja para uma família, especialmente agora, que fazemos questão de cumprir os nossos horários à risca, para que a Alice possa ir para a cama bem cedo e com a digestão já feita.

As sopas não têm de ser sempre as mesmas, nem têm de ser sempre comidas à colher. Sopa, caldo ou creme. Com entulho ou sem entulho. Com peixe, com carne ou com tofu. Doce, salgada ou picante. As variedades começam aqui e só terminam se (ou quando) os nossos horizontes o permitirem.

Do caldo verde à Miso, do Chowder à Minestrone ou do Goulash à sopa Thai, corremos o mundo e só paramos quando a tigela se acabar.

O ingrediente principal da sopa desta semana é a couve-flor e, embora já tenha provado pelo menos 2 versões de sopa com esta hortaliça, hoje decidi criar a minha própria receita.

A primeira sopa de couve-flor que provei na minha vida foi no Picoas Plaza, numa casa de sandes, sopas e saladas, onde costumava ir com a minha irmã. O creme, muito claro, era servido com um bom fio de azeite cru e amêndoas torradas. Era maravilhoso!

Já na segunda vez, provei um creme com a mesma base, embora com temperos bem diferentes. Receita retirada da internet e feita cá em casa, desiludiu pela falta de protagonismo da couve-flor.

Por tudo isto, esta semana decidi criar uma receita ao meu gosto, incorporando alguns dos ingredientes que pensei completarem esta experiência, e tornar este creme numa refeição completa e do agrado de todos.

O resultado está à vista e, garanto, foi do agrado de todos. O limão intensifica o sabor do creme, enquanto que o tomilho o complementa. Já os triângulos de pão de alho e as tiras estaladiças de bacon, completamente opcionais e um pouco menos saudáveis, ajudaram a alegrar a mesa.

Se é para haver sopa, dê-se-lhe lugar de destaque e prepare-se uma festa!

Creme de couve-flor assada,

com tomilho, limão & avelãs

Ingredientes para 4 pessoas:
1 couve-flor grande (ou 2 pequenas) em floretes
azeite q.b.
sal q.b.
pimenta q.b.
piripiri (opcional)
noz-moscada q.b.
2 cebolas médias
1 cabeça de alho
1/2 bolbo de funcho
1lt a 1.5lt de caldo de frango
225ml de creme de culinária de origem vegetal

Modo de Preparação:

Comece por preparar ou aquecer o caldo de frango e legumes. Cá em casa tenho geralmente caldo de frango e legumes preparado e congelado para todo o tipo de utilização. Para esta receita, aqueci 1 litro de caldo e juntei-lhe 3 cogumelos fatiados, para começarem a dar algum sabor.

Descasque e pique as cebolas e o aipo. Refogue-os num pouco de azeite, deixando cozinhar por alguns minutos, antes de adicionar o alho picado. Junte ainda o arroz e deixe-o fritar um pouco, em lume médio-alto, mexendo sempre.

Assim que note que o arroz fritou ligeiramente, junte os cogumelos partidos a gosto e envolva bem, para que fritem um pouco. Tempere com um pouco de sal e pimenta e deixe cozinhar por 1 ou 2 minutos.

Adicione de seguida o vinho branco e deixe evaporar. Imediatamente, comece a deitar as primeiras conchas de caldo. Mexa suavemente e repita este passo sempre que note que o caldo absorveu quase que totalmente.

Assim que o arroz esteja tenro (verifique os minutos de cozedura aconselhados na embalagem do arroz), retire o tacho do lume e adicione uma boa noz de manteiga e o queijo parmesão, ralado na hora. Envolva tudo suavemente e tape, deixando o arroz repousar por 2 minutos.

Ao servir, acompanhe com um pouco de cebolinho fresco picado na hora e um bom fio de azeite.

1 folha de louro
avelãs tostadas e picadas q.b.
raspa de limão q.b.
tomilho fresco q.b.
8 tiras de bacon (opcional)

Modo de Preparação:

Pré-aqueça o forno nos 180°.

Lave e separe a couve-flor em floretes. Coloque numa taça e regue tudo com um fio de azeite, misturando bem, para que todos os floretes fiquem com azeite.

Distribua os floretes de couve-flor por um tabuleiro com papel vegetal, tempere com um pouco de sal, pimenta, noz-moscada e piripiri (opcional). Coloque ainda a cabeça de alho, regada com azeite. Leve ao forno a assar durante cerca de 30 minutos, vigiando para que não queime.

Entretanto, numa panela, refogue as cebolas num pouco de azeite. Adicione a folha de louro e o bolbo de funcho fatiado. Deixe cozinhar.

Assim que sentir que os legumes estão bem cozinhados, junte à panela 1lt de caldo de frango. Use, preferencialmente, um caldo caseiro. Deixe ferver durante alguns minutos.

Retire o tabuleiro do forno, mas mantenha o forno ligado.

Noutro tabuleiro, igualmente forrado a papel vegetal, coloque o bacon. Cubra com outra folha por cima e pressione. Desta forma, ao levar ao forno, o formato das fatias de bacon manter-se-á. Vigie para não deixar queimar.

Coloque a couve-flor e o alho (use apenas 5 ou 6 dentes de alho assado descascado) na panela. Triture tudo com a varinha mágica e, se necessário, junte um pouco mais de caldo. Quando obtiver um creme bem grosso, junte o creme vegetal e triture mais um pouco, até criar um creme bem sedoso.

Rectifique os temperos e leve de novo ao lume, deixando ferver. Passados 2 minutos a sopa estará pronta.

Sirva o creme de couve-flor nas tigelas. Salpique com as avelãs tostadas, as tiras finas de bacon estaladiço e algumas folhas de tomilho. Raspe um pouco de casca de limão, para intensificar os sabores.

Espero que tenham gostado da minha sugestão, podendo alterar alguns sabores consoante a vossa conveniência. As avelãs podem ser amêndoas. O tomilho pode ser cebolinho. Os triângulos de pão de alho, com que acompanhei a sopa cá em casa, podem ser substituídos por tortilhas, que levaram ao forno para ficarem estaladiças.

Aproveito para desejar a todos o resto de uma boa semana e de agradecer por continuarem por aqui comigo.

Até breve!

0 comments on “As sopas que não podem faltarAdd yours →

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.