Multiculturalismo na nossa ilha (da cozinha)

A partir do momento em que a temperatura dentro de casa nos obriga a usar manga comprida, os nossos domingos passam a ser mais caseiros. Muito mais caseiros. Dias preguiçosos, horas que passam sem pressas nem grandes expectativas a não ser, claro, em relação ao que pode ou não vir a sair do forno e aos filmes que possam dar na televisão (e esta segunda parte geralmente desilude – que modéstia!)

Hoje, domingo, não foi excepção, salvo pela manhã estranhamente activa. Os jornais anunciavam e alertavam a chegada de uma tempestade ao final da tarde de hoje, com muito vento, alguma chuva e uma queda repentina da temperatura.

Perante este cenário, aproveitámos a manhã calma (e de sol) para desmontar partes do trampolim da Alice, para que pudéssemos passar o resto do dia (e noite) descansados, sem receios de que, quando a tempestade chegasse, tivéssemos que ir “apanhar” o trampolim ao jardim do vizinho do lado.

Não se riam, nem achem isto descabido, por favor. Um trampolim de 4.3 metros de largura pode, à custa do vento, trepar cercas de 2m e tal e ir parar em cima de uma qualquer árvore. Sim, já nos aconteceu. Sim, é bastante assustador – de tal forma assustador que nem a polícia queria acreditar no fenómeno.

Tratado o trampolim e arrumado o jardim no geral, optei por preparar um almocinho leve de sopa miso e sashimi de salmão.

Claro que o estômago não se deixou convencer por muito tempo, e eis que o jantar chega ainda mais cedo do que o normal.

O prato que escolhi para o jantar não é novo nesta casa. Aliás, não é novo na minha vida: a minha mãe fazia-o com frequência, o meu pai ainda o faz, bem como a minha irmã. Em miúdos, este era mais um dos pratos com lugar cativo à nossa mesa. Hoje, numa idade diferente, nada parece ter mudado.

A receita em si é fácil e bastante rápida de fazer, tirando os tempos necessários para descanso e para o forno. No entanto, sendo muito honesta, preparem-se para sujar um pouco o fogão e sentir tudo um tanto ou quanto oleoso. Garanto, mas garanto mesmo, que no fim não é o que parece. Cada garfada vai valer muito a pena.

Um conselho antes de apresentar o prato de hoje: eu sei que há pessoas que torcem um pouco o nariz aos fritos. Eu também evito fritar e até mesmo usar demasiada gordura, seja para o que for. No entanto, esta não é uma receita qualquer e, verdade seja dita, é por fritar as batatas e as beringelas em azeite que o prato consegue a textura e o sabor maravilhoso que tem no final. Façam-no ao Domingo, depois de uma semana sem pecados gastronómicos. Ninguém se vai queixar, nem a balança.

Moussaka é uma especialidade dos países do Médio Oriente, mas que geralmente associamos à Grécia. Esta é a sugestão que vos trago hoje.

Para quem não conhece, pode-se dizer que é uma espécie de empadão ou lasanha, mas sem massa e cheia de sabor, vindo da mistura de ervas aromáticas e algumas especiarias. É a perfeita união entre carne (que poderá ser vaca, porco ou borrego), beringela e uma espécie de bechamel cru, feito com iogurte, mas que ganha uma consistência de soufflé. Convencidos? A receita vem já aí.

A Moussaka que conheço desde a minha infância é esta que vos trago hoje. Qualquer pesquisa pela internet vos indicará outras Moussakas (sem batata, com outros ingredientes e/ou até com outra disposição) que me parecem igualmente maravilhosas. No entanto, venha o que vier, esta será sempre a nossa Moussaka.

Moussaka

como se fazia lá em casa

Ingredientes para 4 pessoas:
500g de batatas 
150ml de azeite
4 beringelas médias
2 cebolas médias
2 dentes de alho
1 folha de louro
500g de carne picada (mista, porco e vaca ou borrego)
pimenta q.b.
sal q.b.
1 c. chá paprica
1 c. chá rasa de cada erva aromática (tomilho, alecrim e salva)
3 c. de sopa de polpa de tomate
250ml de caldo de carne
200ml iogurte natural
3 ovos
1 c. café de fermento
2 c. de sopa de farinha

Modo de Preparação:

Comece por cortar as beringelas ao meio. Tempere com sal e reserve. As beringelas devem repousar por cerca de 30 minutos.

Descasque as batatas às rodelas e leve-as a fritar em azeite quente (use a quantidade de azeite indicada). Assim que fritas, retire-as do tacho e tempere com sal. Reserve.

Utilize o mesmo azeite para fritar as beringelas. Tenha em atenção que a ideia é fritar as beringelas até que a polpa amoleça. No entanto, se virar as beringelas logo da primeira vez, elas libertarão imensa água, o que vai acabar de imediato com a fritura. Comece por secar bem as metades abertas, coloque a fritar com a casca para baixo e frite todas as beringelas assim. No fim, se achar necessário, frite do outro lado, para garantir que toda a polpa sai bem.

Retire as beringelas do tacho e deixe arrefecer um pouco.

Ainda no mesmo tacho, agora só com um pouco de azeite que sobrou, coloque a cebola picada, o alho picado e a folha de louro. Deixe refogar por alguns minutos e junte depois a carne. Envolva bem e deixe ganhar alguma cor, enquanto retira a polpa das beringelas.

Junte a polpa das beringelas à carne, tempere tudo com sal, pimenta e paprica, junte algumas ervas aromáticas (eu coloquei um pouco de tomilho, de alecrim e de salva) e ainda a polpa de tomate. Envolva bem e deixe cozer um pouco, deixando tomar sabor.

Finalmente, adicione um pouco de caldo de carne (metade da quantidade indicada) e deixe cozer mais um pouco, enquanto unta um tabuleiro com azeite e pré-aquece o forno nos 180°.

Retifique os temperos, se necessário, e apague o lume. Deite o conteúdo do tacho num tabuleiro (ou use o tacho, caso ele possa ir ao forno, aproveitando assim todos os sabores). Coloque as batatas entre a carne e a beringela e regue com um pouco mais de caldo de carne.

Leve ao forno por cerca de 35 minutos. A 10 minutos do fim do tempo, prepare a cobertura.

Numa taça, misture o iogurte com os ovos e bata bem. Junte depois um pouco de sal, a farinha e o fermento e envolva bem, para que não fique com grumos. Verta esta mistura sobre o tabuleiro/tacho com a carne.

Leve ao forno durante mais 12-15 minutos, deixando criar uma espécie de crosta dourada.

Sirva simples ou com uma salada verde. Contrasta maravilhosamente com os sabores quentes e fortes da Moussaka.

Espero que tenham gostado da minha sugestão de domingo.

Aproveito para vos desejar uma excelente semana e agradecer por continuarem por aqui comigo.

Até breve!

 

0 comments on “Multiculturalismo na nossa ilha (da cozinha)Add yours →

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.