O conforto de uma carne estufada

Sou pessoa de listas, de menus mensais, semanais e planos para os próximos dias. Sou assim e devia ter orgulho nisso. No entanto, porque ao mesmo tempo que me organizo desta forma, estou constantemente a passar por cima dos meus próprios planos e a reinventá-los, sinto que me transformo numa espécie de mãe/mulher/dona de casa um pouco louca. Depois, depois percebo que somos todos assim e que só aos olhos de quem não o faz é que parecemos doidos – e essas pessoas não percebem nada deste assunto, isso é certo!

Então vejamos: se passamos o dia a receber e a processar imagens, cheiros, sabores e conversas, para além de energias, experiências e influências de outras pessoas (seja de quem for e por que razão for), porque é que temos que nos contentar com primeiros planos? Os planos foram feitos para serem alterados e aprovados, certo? Além disso, não é como se estivéssemos a copiar o teste de alguém e fossemos ser punidos por isso.

A meu ver, tirar proveito daquilo que somos obrigados a processar é extremamente inspirador e motivante. Se as abóboras estão em promoção no supermercado, porque é que temos que comprar o feijão verde para aquela sopa que tínhamos planeado? O feijão-verde não nos vai apontar nenhuma arma, tão pouco vai ficar a chorar. Mais, se a receita que está a dar no programa da manhã nos deixa a salivar (e nós até temos tudo no frigorífico para fazer igual) porque é que temos que seguir à risca o plano que estava definido para o almoço?

Foi nesta onda de inspiração que o nosso jantar enfadonho de quarta-feira se transformou neste estufado maravilhoso, que vos trago hoje. Aliás, posso-vos dizer que se não fosse por causa de uma conversa que tive, à porta da escola da Alice, com a avó de um dos amiguinhos dela, jamais teria alterado os planos para o jantar.

Há já muito tempo que o Miguel se andava a queixar de ter saudades de um estufado de carne com puré de batata. Achei que era a altura perfeita para lhe fazer este prato, que ele tanto gosta, e que também me estava a apetecer.

Porque estou numa maré de reinvenção de receitas, ditas habituais cá em casa, especialmente porque, durante a semana, jantamos bem cedo e tentamos comer o melhor possível, decidi usar couve-flor e experimentar um puré diferente.

Ambas as receitas que vos trago hoje são simples, tão simples. A meu ver, só pecam por uma coisa: o facto de eu não ter usado uma panela de pressão, tendo em conta que fiz esta receita em pleno dia de semana. Claro que a panela de pressão é opcional, tal como cozinhar da forma mais tradicional e lenta o é.

Eu prefiro a segunda opção, isso é certo, até porque consigo ficar muito mais atenta aos tempos de cozedura da carne e à espessura do próprio molho. Optar pela panela de pressão, no entanto, facilitaria e adiantaria muito o processo. Escolham a modalidade que preferirem – a carne ficará sempre maravilhosa e os sabores aconchegarão bem o nosso estômago e alma.

Estufado de carne e cenoura

&

Puré de couve-flor assada

Ingredientes para 3-4 pessoas:
600gr de carne de vaca para estufar
2 cebolas médias
3 cenouras médias
2 dentes de alho
2 talos de aipo
1 tomate grande maduro
250ml de vinho tinto
3 c. de sopa de polpa de tomate
1 c. de sopa de farinha
azeite q.b.
650ml de caldo de carne e legumes (preferencialmente caseiro, embora eu tenha usado de compra desta vez)
sal q.b.
pimenta q.b.
1 folha de louro
1 c. café de paprica
1 ramo de salsa

Modo de preparação:

Comece por cortar a carne aos cubos pequenos. Seque bem, utilizando uma folha de papel absorvente, e tempere com um pouco de sal e pimenta.

Num tacho com fundo antiaderente, coloque um pequeno fio de azeite e leve a aquecer. Assim que bem quente, comece a selar a carne, colocando pequenas quantidades de cada vez e virando para que todos os lados ganhem um tom caramelizado.

Sempre que uma dose de carne esteja pronta, coloque num prato e reserve. Assim que todos os cubos de carne estejam bem selados, coloque a cebola a refogar. A cebola pode ser cortada em cubos grandes. Quanto ao aipo, que deve juntar logo a seguir, lave muito bem, retire os fios e corte finamente. Junte ainda o alho, partido finamente.

Assim que os legumes estejam com uma cor dourada e bem mais suaves, junte o copo de vinho tinto e deixe evaporar um pouco.

Entretanto, salpique a carne com 1 colher de sopa de farinha e envolva suavemente a carne. Junte ao tacho do refogado e envolva bem, a uma temperatura média-baixa.

De seguida, adicione a polpa de tomate, o tomate maduro picado, a folha de louro e o ramo de salsa (por causa da acidez do tomate, pode ainda adicionar uma colher de café de açúcar). Tempere com um pouco de paprica e envolva tudo suavemente, num lume baixo. Não adicione sal nesta altura, pois a carne já está temperada e ainda vai ter que adicionar o caldo de carne e legumes.

Adicione 500ml de caldo (reserve o restante caso venha a ser necessário) e aumente a temperatura, até começar a ferver. Junte as cenouras descascadas e partidas em pedaços grandes e tape.

Deixe a carne estufar em lume médio-alto, durante cerca de 1h30, vigiando regularmente. Note que a carne pode levar mais ou menos tempo a cozinhar, se feita tradicionalmente. Como referi, pode utilizar a panela de pressão para estufar a carne mais depressa.

É importante que vigie a carne para evitar que cole no fundo do tacho e que o molho evapore depressa de mais. Neste caso, junte o caldo que guardou, tendo sempre em atenção que o que se pretende é um molho espesso – sim, isto vai fazer a diferença!

O puré leva cerca de 45 minutos a preparar, pelo que não precisa de se preocupar com ele até à segunda parte da cozedura da carne.

Ingredientes para o Puré de Couve-flor assada:
1 couve-flor com aprox. 1 kg
3 ou 4 dentes de alho ainda com casca
250ml de creme vegetal
sal q.b.
azeite q.b.
noz-moscada q.b.
limão (raspa)

Modo de preparação:

Pré-aqueça o forno a 180°. Lave a couve-flor e divida-a em pequenos floretes.

De seguida, coloque os floretes num tabuleiro, forrado a papel vegetal. Regue com um fio de azeite e tempere com um pouco de sal e noz-moscada, a gosto.

Junte ainda os dentes de alho com casca, regados com um pouco de azeite. Leve ao forno durante aproximadamente 40 minutos, tendo o cuidado de baixar o forno para os 150°, ao fim dos primeiros 5 minutos de cozedura.

Aqueça o creme vegetal numa panela e reserve. Assim que a couve-flor esteja assada, coloque tudo na panela (tirando a casca aos alhos e juntando-os também). Triture tudo com a varinha mágica, tendo o cuidado de retificar os temperos, se necessário.

Por fim, no momento de servir o puré e a carne, salpique com algumas raspas de limão e folhas de salsa fresca.

Espero que tenham gostado desta simples, mas maravilhosa, sugestão. Podem pensar que o puré de couve-flor não tem o impacto de um puré de batata, e têm razão, mas é extremamente delicioso e, ao mesmo tempo, muito mais leve para comer à noite.

Aproveito para desejar a todos um excelente fim-de-semana e agradecer por continuarem por aqui comigo.

Até breve!

0 comments on “O conforto de uma carne estufadaAdd yours →

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.